sexta-feira, fevereiro 14, 2014

Enfim. Sarah.

4:39 AM.

Não é a psicose de Sarah Kane,
Apesar de estar gordo,
Apesar de não conseguir escrever,
Apesar de estar com medo pois talvez eu não saiba mais amar.

A vida é construída de decepções. E não. Não é dos fracos desistir.
Eu sou covarde, não conseguiria nunca tirar minha própria vida.
Tenho essa idiota esperança das heroínas de musicais,
Que acreditam que no final tudo se resolve.

Nunca saio no meio de um filme. Por pior que seja,
Por isso estarei aqui, até os créditos subirem.
Espero não bocejar ao final, ou ter que me ajustar na cadeira esperando o fim.
Quero o clímax. A catarse eterna.

Tenho medo de virar Sarah Kane.
Não consigo trabalhar,
Não consigo foder,
Será que gosto da minha genitália (terrível apropriação da tradução do texto original)

Enfim. Estou na grande barriga que 90% dos filmes sofrem.
Naquele "suspense" em que não aguentamos mais ver o protagonista
sofrer e não aceitar a mudança.

Me jogo de braços abertos.
Esperando entrar a próxima cena.
Próxima sequência.
Corte seco.

Por pior que essa narrativa esteja,
Tudo sempre tem que começar do zero.
E melhor começar. 
Que nunca sair do lugar.

segunda-feira, agosto 08, 2011